quinta-feira, março 10, 2005

Relatório dos Espaços de Apoio aos Sem-Abrigo - Vaga de Frio / Março 2005

Na sequência das baixas temperaturas que se fizeram sentir em Lisboa, de 2 a 6 de Março, a Câmara Municipal de Lisboa desenvolveu uma acção de apoio aos sem-abrigo de Lisboa. Essa acção consistiu no reforço da intervenção das 23 Equipas de Rua que actuam na cidade, no aumento do número de vagas disponíveis nos centros de acolhimento municipais e na criação de dois Espaços de Apoio Diurno: Espaço de Apoio 1 (na Praça David Leandro da Silva, n.º21, de 2 a 5 de Março, das 13 às 21 horas) e Espaço de Apoio 2 (no Palácio da Folgosa, Rua da Palma, n.º169, de 4 a 6 de Março, das 12 às 21 horas).

Criação de Espaços de Apoio Diurno

Os Espaços de Apoio aos Sem-Abrigo reflectiram, uma vez mais, o trabalho de articulação que tem vindo a ser desenvolvido, no âmbito do Plano Lx – Plano Municipal de Prevenção e Inclusão de Toxicodependentes e Sem-Abrigo, entre a autarquia e diversas outras entidades nossas parceiras. Neste caso concreto com a Associação Futuro Autónomo, Associação Novos Rostos Novos Desafios, Legião da Boa Vontade, Movimento ao Serviço da Vida, Serviço Jesuíta aos Refugiados, Exército de Salvação, Médicos do Mundo, Vitae – Centro de Acolhimento do Beato, Comunidade Vida e Paz, Associação Centro Fonte da Prata, Associação Crescer na Maior.

Caracterização dos Espaços de Apoio Diurno

a) Permanência constante de técnicos que desenvolvem actividade com a população sem-abrigo;
b) Local de Acolhimento para permanência dos indivíduos sem-abrigo;
c) Distribuição de alimentos quentes;
e) Diagnóstico de necessidades com base no preenchimento de uma ficha individual e respectivo encaminhamento;
f) Encaminhamento dos indivíduos para os recursos existentes, adequados às suas necessidades / capacidades;
g) Recolha de alimentos, vestuário e agasalhos que, de imediato, foram reencaminhados para as necessidades mais urgentes;
h) Apoio à saúde (Prestação de cuidados básicos de saúde em articulação com o projecto “noite saudável” dos Médicos do Mundo).

Procura dos espaços

Em média, por dia, recorreram aos serviços destes Espaços de Apoio 88 indivíduos, à procura de um abrigo e / ou de alimentos.

Registo / Encaminhamento

Foram efectuados cerca de 300 registos (preenchimento de fichas de avaliação de situação individual) dos quais se pode salientar o seguinte:

a) Encaminhamentos para Centros de Abrigo: 50 indivíduos. Um grupo alargado das pessoas que recorreram a estes espaços já se encontrava a pernoitar nos Centros de Abrigo, resultado de encaminhamentos efectuados anteriormente pelas diferentes equipas de rua que diariamente desenvolvem esse trabalho de motivação e encaminhamento;

b) Para além de uma resposta ao nível do acolhimento / pernoita quase todos os indivíduos foram alvo de um encaminhamento nas seguintes áreas:

- Saúde: Hospitais, Médicos do Mundo (ONG), Gabinetes de Apoio ao Toxicodependente;
- Apoio psicossocial: Gabinetes de Apoio (sob a responsabilidade de várias Instituições) e Santa Casa da Misericórdia de Lisboa;
- Apoio profissional / ocupacional: UNIVA`s, Centro Ocupacional, Clubes de Emprego.

Conclusões

À semelhança do que aconteceu no passado mês de Janeiro, os resultados acima referidos permitem confirmar o seguinte:

- O número de camas disponíveis nos cinco Centros de Acolhimento municipais é suficiente para as necessidades da cidade, mesmo em situações de emergência como a que se passou (não foram preenchidas a totalidade das vagas criadas para esse período);
- As respostas existentes, no âmbito do Plano Lx – Plano Municipal de Prevenção e Inclusão de Toxicodependentes e Sem-Abrigo, são eficazes: permitem dar a resposta mais adequada às diferentes situações com que os técnicos se deparam.

Para mais informações contactar Nuno Costa, assessor de imprensa do Gabinete da Vereadora Helena Lopes da Costa, pelos telefones 93.7521100 e 21.3227127 ou pelo endereço electrónico
ncosta@cm-lisboa.pt.